sábado, 31 de janeiro de 2009

Para quem ama os livros...


Quando tenho algum dinheiro, compro livros.
Se ainda me sobrar algum, compro roupas e comida.

Erasmo de Roterdã

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

O maior tesouro dos pais

A mais rica herança que os pais podem deixar para seus filhos

 

Pr. Joubert de Oliveira Sobrinho

Mensagem ministrada no Culto de Comissionamento do CRE 1 - em 27/01/09

 

Porque não devem os filhos entesourar para os pais, mas os pais, para os filhos. 2 Coríntios 12:14b

VEJA VÍDEO AO FINAL DO ARTIGO 

Entesourar é ajuntar e armazenar, amontoar, acumular riquezas, manter em estoque, reservar. Pensar no amanhã dos filhos é parte da constante preocupação de muitos pais. Com isto em mente muito esforço é dirigido ao acumulo de bens que facilitem suas vidas. Convém destacar algumas verdades bíblicas que podem aprimorar este justo esforço.

 

1.   O tesouro para os filhos não deve se constituir somente de valores temporais.

 

Herança material, terras, casas, bens, móveis, imóveis, jóias, negócios, empresas, aplicações, investimentos, tem utilidade tanto quanto fim. Que o diga aquele homem, um dos mais ricos da Alemanha, que suicidou-se por causa das perdas oriundas da crise.

 

2 Pedro 3:7  Mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro e se guardam para o fogo, até o Dia do Juízo e da perdição dos homens ímpios.

 

Tudo o que se vê, são tesouros que se guardam para o fogo. Um dia se queimará!

 

2.   O principal cofre do tesouro é o coração humano.

 

Todos têm um tesouro em seu coração. Tudo que é valorizado é guardado no coração, quer seja de boa natureza ou má.

 

Lucas 6:45  O homem bom, do bom tesouro do seu coração, tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração, tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca.

 

Mateus 6:21  Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.

 

3.   Os pais elegem o que é valioso para sua família. A eles cabem a escolha do que tem valor para ser cultivado.

 

Eles juntam ao redor e em si as riquezas que representem suas reais escolhas. E com estes valores orientam a sua conduta e a dos filhos.

 

Mateus 13:52  E ele disse-lhes: Por isso, todo escriba instruído acerca do Reino dos céus é semelhante a um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e velhas.

 

4.   Qual é o melhor tesouro, a melhor riqueza que se possa entesourar para os filhos? O tesouro do conhecimento de Deus.

 

Os pais que, por exemplo, se esforçam por colocar seus filhos numa escola cristã que associa a verdade bíblica ao conhecimento acadêmico e à Ciência, estão juntando tesouro do conhecimento de Deus para os filhos.

 

Abrir a oportunidade aos filhos de conhecerem o Criador é o maior tesouro que os pais podem juntar para eles. É um ato de amor:

 

1 João 4:7,8  Amados, amemo-nos uns aos outros, porque a caridade é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é caridade.

 

Este conhecimento contínuo edifica o caráter, orienta a conduta, abençoa a vida, traz satisfação ao coração e propósito à vida.

 

Oséias 6:3  Conheçamos e prossigamos em conhecer o SENHOR...

 

5.   Os pais que trabalham para que seus filhos conheçam a Deus colherão frutos excelentes.

 

De acordo com a Palavra de Deus, o resultado desse investimento operado pelos pais será que os seus filhos obterão:

 

o   Vitória sobre o maligno

o   Conhecimento de Deus

o   Força

o   A Palavra de Deus habitará neles

o   Vitória sobre o mal

 

1 João 2:13,14  Pais, escrevo-vos, porque conhecestes aquele que é desde o princípio. Jovens, escrevo-vos, porque vencestes o maligno. Eu vos escrevi, filhos, porque conhecestes o Pai. Eu vos escrevi, pais, porque conhecestes aquele que é desde o princípio. Eu vos escrevi, jovens, porque sois fortes, e a palavra de Deus está em vós, e já vencestes o maligno.

 

6.   Os pais não devem esquecer que Deus escolheu colocar do seu valioso tesouro eterno no coração das frágeis criaturas humanas.

 

Tal consciência nos livrará do engano da soberba e do veneno do orgulho quando Deus enriquecer nossos filhos e os colocar em honra em seu reino. Havemos de reconhecer em humildade a plena suficiência do Senhor, autor da vida.

 

2 Coríntios 4:7  Temos, porém, esse tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós.

 

 

 

 

video

sábado, 24 de janeiro de 2009

Podaram a árvore de Darwin


Bem no ano da comemoração dos 150 anos da Teoria da Evolução e a duas semanas da celebração dos 200 do nascimento do “homem”, a New Scientist publica um artigo e um editorial explicando porquê Darwin estava errado com sua árvore filogenética da vida.

Basicamente o problema com a tal árvore é que as pesquisas, especialmente aquelas feitas após a descoberta do DNA e dos avanços da biologia molecular, mostram que as relações entre os seres vivos não confirmam a noção de um diagrama semelhante a galhos que vão se bifurcando a partir de uma espécie em comum, mas são muito mais complexas, com intercorrespondências genéticas entre espécies as mais variadas, formando teias, círculos e configurações em alguns casos unindo duas espécies em uma nova, o que corresponderia exatamente ao inverso do que se esperaria tal “árvore”.

http://www.outramente.org/
Artigo:
http://www.newscientist.com/article/mg20126921.600-why-darwin-was-wrong-about-the-tree-of-life.html?page=1
Editorial:
http://www.newscientist.com/article/mg20126923.000-editorial-uprooting-darwins-tree.html

Fonte: Hamilton BF

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

A mais nobre atividade











A família Taylor da Inglaterra tinha dois filhos nobres. O mais velho disse que honraria o nome da família, e canalizou todos seus esforços para o parlamento.

Hudson Taylor o mais novo, decidiu dedicar sua vida a CRISTO, e assim foi anunciar o evangelho na China. Aparentemente ele havia desaparecido, como missionário excêntrico. Porém a obra que JESUS foi realizando em sua vida irradiou para todos os continentes. Quando morreu foi reconhecido como um dos maiores missionários da sua época!

Passaram-se alguns anos, disse alguém:

- Quando procurei, na enciclopédia, para ver o que o filho mais velho havia feito na vida política, encontrei as seguintes palavras: “O irmão de Hudson Taylor...”.

Jesus Cristo coloca sua vida em dupla honra!

***Recebido por e-mail de Marcos Dan

domingo, 11 de janeiro de 2009

A única força que vence a pedofilia

ALERTA

Por toda parte onde a prática da pedofilia recuou, foi a influência do cristianismo — e praticamente ela só — que libertou as crianças desse jugo temível. Mas isso teve um preço. É como se uma corrente subterrânea de ódio e ressentimento atravessasse dois milênios de história, aguardando o momento da vingança. Esse momento chegou.

Olavo de Carvalho (Filósofo e pensador brasileiro)

http://www.olavodecarvalho.org/semana/04272002globo.htm

sábado, 10 de janeiro de 2009

Matemática segura

Bom piloto é aquele que tem um número igual de decolagens e aterrissagens. - Fernando Pinto

Discriminação contra os Brancos

Este artigo foi publicado no início de 2008. Até hoje causa impacto. Basta ver quantas vezes foi postado em inúmeros blogs e sites por aí. O Dr. Ives Gandra tem opinado com tanta clareza sobre alguns assuntos que, toda vez que diz alguma coisa, atrai a atenção de muitos, tamanha a força de referência que tem sido. Ele pincela importantes assuntos neste artigo. Avalie e veja por si mesmo.

Ives Gandra da Silva Martins*

Hoje, tenho eu a impressão de que o ´cidadão comum e branco´ é agressivamente discriminado pelas autoridades e pela legislação infraconstitucional, a favor de outros cidadãos, desde que sejam índios, afrodescendentes, homossexuais ou se auto-declarem pertencentes a minorias submetidas a possíveis preconceitos.
Assim é que, se um branco, um índio ou um afrodescendente tiverem a mesma nota em um vestibular, pouco acima da linha de corte para ingresso nas Universidades e as vagas forem limitadas, o branco será excluído, de imediato, a favor de um deles. Em igualdade de condições, o branco é um cidadão inferior e deve ser discriminado, apesar da Lei Maior.
Os índios, que pela Constituição (art. 231) só deveriam ter direito às terras que ocupassem em 5 de outubro de 1988, por lei infraconstitucional passaram a ter direito a terras que ocuparam no passado. Menos de meio milhão de índios brasileiros - não contando os argentinos, bolivianos, paraguaios, uruguaios que pretendem ser beneficiados também - passaram a ser donos de 15% do território nacional, enquanto os outros 183 milhões de habitantes dispõem apenas de 85% dele. Nesta exegese equivocada da Lei Suprema, todos os brasileiros não índios foram discriminados.
Aos ´quilombolas´, que deveriam ser apenas os descendentes dos participantes de quilombos, e não os afrodescendentes, em geral, que vivem em torno daquelas antigas comunidades, tem sido destinada, também, parcela de território consideravelmente maior do que a Constituição permite (art. 68 ADCT), em clara discriminação ao cidadão que não se enquadra nesse conceito.
Os homossexuais obtiveram, do Presidente Lula e da Ministra Dilma Roussef, o direito de ter um congresso financiado por dinheiro público, para realçar as suas tendências, algo que um cidadão comum jamais conseguiria.
Os invasores de terras, que violentam, diariamente, a Constituição, vão passar a ter aposentadoria, num reconhecimento explícito de que o governo considera, mais que legítima, meritória a conduta consistente em agredir o direito. Trata-se de clara discriminação em relação ao cidadão comum, desempregado, que não tem este ´privilégio´, porque cumpre a lei.
Desertores e assassinos, que, no passado, participaram da guerrilha, garantem a seus descendentes polpudas indenizações, pagas pelos contribuintes brasileiros. Está, hoje, em torno de 4 bilhões de reais o que é retirado dos pagadores de tributos para ´ressarcir´ àqueles que resolveram pegar em armas contra o governo militar ou se disseram perseguidos.
E são tantas as discriminações, que é de se perguntar: de que vale o inciso IV do art. 3º da Lei Suprema? Como modesto advogado, cidadão comum e branco, sinto-me discriminado e cada vez com menos espaço, nesta terra de castas e privilégios.
(Ives Gandra da Silva Martins é professor emérito das universidades Mackenzie e UNIFMU e da Escola de Comando e Estado do Exército e presidente do Conselho de Estudos Jurídicos da Federação do Comércio do Estado de São Paulo).

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Por uma espiritualidade saudável


Joubert de Oliveira Sobº




Os acontecimentos deste tempo não são fáceis de enfrentar. Embora a violência, as injustiças e os sofrimentos sempre tenham existido, hoje convivemos com um volume maior deles ao nosso redor. Mas, ao invés de assumir uma atitude pessimista, podemos tomar algumas providências fundamentais. Umas delas é procurar viver uma espiritualidade saudável. Sim, porque há espiritualidades nocivas, que desonram e destroem o ser humano e não o favorecem.

O bom senso nos orienta a tomarmos algumas posturas adequadas para obter uma espiritualidade saudável:

1. Definitivamente dar menos valor às coisas materiais e efêmeras

A vida vale mais do que um produto, mais do que as riquezas, mais do que as posições sociais. Quando colocamos estas coisas acima da vida enveredamos pela ladeira destrutiva do engano, da ganância que gera insatisfação, na contramão da espiritualidade verdadeira.

2. Tomar a corajosa deliberação de reconhecer e valorizar o que é eterno

Em nosso interior há uma forte percepção de que a vida vai além da curta história que podemos escrever nesta terra. Convivemos com valores que se mostram tão ricos que não fariam sentido se fossem temporais. Assim é o amor, a amizade, a boa lembrança, os laços de alma, a solidariedade. São riquezas espirituais da alma cujos valores se estendem para além de nossa própria vida.

3. Com rigor e critério buscar conhecimento e vivência espiritual numa fonte digna de crédito

Nem sempre as argumentações e explicações ditas espirituais procedem de fonte confiável. Há mananciais tão contaminados que desfiguram a beleza de uma espiritualidade saudável. Não raro vemos pessoas que em troca de alguns benefícios na vida põem a perder a família, a saúde física, o domínio próprio, além dos bens e o futuro, por uma espiritualidade falsa e nociva, indigna do propósito para o qual existimos.

4. Atender às palavras de quem tem autoridade espiritual comprovada

Ninguém deve crer às cegas em qualquer afirmação por mais confortante ou coerente que pareça. É indispensável que se comprove a fonte de poder que legaliza as afirmações dirigidas à nossa alma e espírito.

No entanto, podemos questionar: se no âmbito material já temos tantos enganos, dúvidas e incertezas, quem nos garante, o conhecimento das verdades necessárias para alcançar a saúde espiritual? O ambiente espiritual que parece não tangente e obscurecido poderia ser esclarecido? Quem teria essa condição? A Filosofia, a Ciência, as ações humanitárias ou religiosas?

Permita-me apresentar-lhe algumas respostas para sua avaliação com base não na Filosofia, ou Ciência na prática humanitária ou na Religião, mas nas palavras, no caráter e na conduta de uma pessoa que, em nossos dias, precisamos voltar a descobrir e conhecer: Jesus, o Galileu de Nazaré.

· Quanto às coisas materiais e efêmeras comparadas ao valor da vida, ele disse: Que adiantará ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou, o que o homem poderá dar em troca de sua alma? (Mateus 16.26) Jesus afirma que nossa vida é eterna e vale mais do que posições ou bens materiais. Tanto assim que ele se dispôs a dar sua própria vida para resgatar a nossa.

· Quanto à valorização das coisas eternas, ele orienta: Não trabalhem pela comida que se estraga, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual eu lhes darei (João 6.27); Eu lhes dou a vida eterna, e... jamais perecerão (João 10.28). Ele teve o firme propósito de não nos deixar acomodados ao pensamento de que somos transitórios. Ele nos lembrou que a eternidade está impressa em nosso espírito e que não devemos desprezá-la.

· Quanto à credibilidade da fonte do conhecimento espiritual, ele afirmou: Os céus e a terra passarão, mas as minhas palavras jamais passarão (Lucas 21.33). Mesmo sem ser lida ou conhecida, a Bíblia é injustamente alvo do descrédito de muitos. Porém, todo aquele que quiser por à prova a credibilidade deste documento se surpreenderá com a quantidade e qualidade de evidências documentais que a tornam digna de crédito. O que torna este livro espiritual são suas características únicas, especialmente o caráter profético evidente a qualquer questionador sincero em busca da verdadeira espiritualidade. Por exemplo, no Antigo Testamento há mais de trezentas profecias detalhadas, a respeito de Jesus e de sua vida, escritas há dezenas de séculos antes de seu nascimento e que se cumpriram pormenorizadamente.

· Quanto à autoridade comprovada, Jesus disse: Foi-me dada toda a autoridade nos céus e na terra (Mateus 28.18). Ele disse isto após ressuscitar, ou seja, vencer a morte, e quem vence a morte tem autoridade para dizer o que é a verdadeira espiritualidade. Ele disse ainda: Mas, para que vocês saibam que o Filho do homem tem na terra autoridade para perdoar pecados - disse ao paralítico - eu lhe digo: Levante-se, pegue a sua maca e vá para casa. Imediatamente ele se levantou na frente deles, pegou a maca em que estivera deitado e foi para casa louvando a Deus (Lucas 5.24,25). As curas que Jesus fazia tinham a finalidade de mostrar a todos que ele tinha autoridade para desfazer o elemento que separa nossa vida de Deus: o pecado. O apóstolo Paulo disse dele: Pois em Cristo habita corporalmente toda a plenitude da divindade... (Jesus) é o Cabeça (Governo) de todo poder e autoridade (Cl 2.9,10). Qualquer argumento ou revelação espiritual oriunda de espíritos subalternos que discordem das palavras de Jesus não possui credibilidade nem autoridade divinas, por isto é preciso comprovar tanto a fonte quanto a autoridade de afirmações espirituais.

Deus é espírito, portanto é o maior interessado em que tenhamos saúde em nossa espiritualidade. Você tem garantias das fontes e da autoridade das diretrizes espirituais que orientam a sua vida? Você tem certeza de que elas são dignas de crédito? Você tem meios para comprovar a fidelidade das escolhas espirituais que fez? Se não temos como confrontar e aquilatar as bases de nossa espiritualidade, não haverá saúde nela.

Se você quiser conhecer mais a Deus, a pessoa de Jesus, o conteúdo da Bíblia para poder sinceramente avaliar sua saúde espiritual, escreva para nós. Procuramos cultivar a espiritualidade saudável que Deus nos apresentou em Jesus Cristo.


Um presentinho

O futuro é apenas outro nome para o presente que ainda não desembrulhamos.