sexta-feira, 29 de maio de 2015

Notícias de Luanda - 28.05.15

Inez e Joubert (diretora e capelão) estão em Luanda, 
Angola, compondo a equipe que organiza e dirige 
a escola cristã de educação por princípios - CEDUC.
Notícias de Luanda
150528
Luanda, 28 de maio de 2015.

...e, nos dias em que buscou o SENHOR, Deus o fez prosperar, 2Cr 6.5

Odebrecht e Kambas do Bem


No dia 30 de abril recebemos a visita oficial das principais instituições que possibilitaram a construção do prédio do CEDUC: Odebrecht e Kambas (amigas) do Bem. Na ocasião o Pr. Itamar, como Mantenedor e a Diretora Inez mostraram às representantes daquelas entidades o andamento da escola: a equipe de trabalho do CEDUC, a administração, as instalações até então obtidas e as principais ações implementadas e em pleno funcionamento.

Preparamos, então, o Devocional semanal com os visitantes e as crianças. Cantamos louvores e encenamos uma peça cuja mensagem era: Quem é Realmente Feliz? onde três trabalhadores, que faziam o difícil trabalho de quebrar pedras para a construção de uma grande Igreja, tinham visões totalmente diferentes sobre a razão de seus trabalhos. Ao serem perguntados sobre o que estavam a fazer, o primeiro respondeu irritado, a lamentar, que quebrava pedras; o segundo respondeu que trabalhava pelo salário que iria receber; e o terceiro, demonstrando satisfação, disse estar construindo uma grande Igreja para as famílias do vilarejo. 

Concluímos que o terceiro trabalhador era mais feliz porque olhava para o propósito nobre e grandioso de seu esforço (Leia este devocional logo abaixo neste blog). Oramos, então, para que a alegria do Senhor estivesse nos corações de todos os que trabalharam para a construção da escola que está abençoando as famílias do bairro do Zango III, na cidade de Luanda.


As crianças agradeceram carinhosamente as representantes das entidades que, além de comovidas, ficaram admiradas ao ver tão bons resultados em tão pouco tempo de atividades (quatro meses!). Foi uma manhã muito rica, agradável e de bons frutos.

O Dia das mães
   
Na semana seguinte, dia 07.05, preparamos o Devocional cujo tema era o Dia das Mães. Após um alegre tempo de louvor e adoração com apresentação de danças e declarações de amor e gratidão das crianças para as mamães, destacamos o cuidado, a importância e o amor que Jesus demonstrou para com sua mãe, Maria, mesmo no momento de maior angústia e dor. 
  
Depois contamos a história da mulher que maltratava sua mãe e, após a morte desta, descobriu que sua pequena filha pretendia, no futuro, tratá-la da mesma maneira (devocional a ser publicado em breve neste blog). Fomos encorajados a agir como Jesus: amando, cuidando e atendendo nossos pais, especialmente as mamães, em suas necessidades.
As crianças juntos com os professores, fizeram alguns presentes especiais para suas mamães. Os menores prepararam um caixinha pintada por eles tendo em seu interior um bombom e algumas balas para adocicar o dia das mamães. Os maiores capricharam no artesanato produzindo pequenas carteiras feitas de caixas de leite revestidas de tecidos.



A Sala da Iniciação


A Pastora Fabiana, esposa do Pr. Itamar, esbanjou talento ao preparar a decoração da sala da Iniciação (equivalente à Educação Infantil) onde as crianças têm em torno de cinco anos. Ela voluntariamente comprou os materiais, os preparou e depois os instalou na sala que ficou um brinco. Veja que espetáculo! As crianças amam ainda mais a sua sala. Elas se sentem amadas. Esta é a realidade aqui no CEDUC. 



Palavras Surpreendentes


Por fim, eu e a Inez fomos impactados com algumas declarações que nos encheram de satisfação e, ao mesmo tempo, nos fizeram sentir o peso da responsabilidade que todos nós temos no Reino de Deus.


Aos domingos, Domingas e família 

Domingas ao centro da foto
A aluna Domingas tem ido conosco para a igreja aos domingos. Ela só pode ir se levar seus quatro irmãos menores – uma “escadinha” em que a menor, a Santinha, é um bebê que ainda não aprendeu a andar. Domingas tem quatorze anos e estuda na classe do Módulo (equivalente ao Supletivo). Há três meses atrás ela aceitou a Jesus ao final da ministração da Palavra. Dias atrás ela nos surpreendeu expressando a consciência e o desejo do seu coração para com Deus dizendo no carro, enquanto íamos para a igreja:

Pastor, não vejo a hora do próximo batismo! Eu quero que você me batize! 

O pedido de um pai


Noutra ocasião, saíamos da escola eu e a Inez, quando fomos abordados, já no portão, por um pai cujos filhos são alunos do CEDUC. Ele fez questão de nos cumprimentar, fazer alguns elogios pelo trabalho da escola e fazer especialmente alguns pedidos. O primeiro tinha a ver com a administração da escola e o segundo nos surpreendeu pela sinceridade e franqueza. Com humildade pediu um favor:


– Gostaria de pedir ao pastor que desse orientação espiritual ao meus filhos, nas coisas da fé. Por favor ensine a Bíblia para eles. Agora que ganharam a Bíblia, eles querem conhecer mais as histórias. Isso é muito bom; faz muito bem para a gente e para eles também...

E a “Chapa Crente” esquentou


Periodicamente uso uma aula para dar aos alunos a oportunidade de perguntarem sobre qualquer assunto. Chamo de “Chapa Crente”. Explico que meu compromisso é tentar responder de acordo com os princípios que a Bíblia ensina e conforme os conhecimentos que tenho. Se eu não souber responder, digo que não sei e vou procurar a resposta. Quem vai para a “chapa” quente sou eu e, geralmente, eles amam me “fritar”. Para que não tenham vergonha, proponho que escrevam num papel sem necessidade de identificação. 

Alguns chegam até a ficar nervosos querendo ver minha expressão ao ler suas perguntas “apimentadas”... Mas em geral, as perguntas giram em torno dos mesmos assuntos: namoro, curiosidades da ciência, sexualidade, namoro, morte, problemas no lar, namoro, sentimentos, dúvidas bíblicas, namoro e etc.

Abro cerimoniosa e misteriosamente cada pedacinho de papel e leio em voz alta. De vez em quando ouço um Ooooh! generalizado quando a pergunta é considerada ousada. Assim vou abrindo e respondendo na medida do possível.

No meio dos papéis desdobro um pedaço menor que todos, com poucas palavras escritas. Surpreendo-me. A força delas é muitas vezes maior que qualquer escabrosa questão. O ínfimo bilhete pesa toneladas em minhas mãos. O impacto das letras me desarticula. Eu não ouso pronunciá-las. Experimento uma satisfação permeada do fardo da responsabilidade que, pela consciência de meus frágeis limites, deságua em tremor e temor diante de Deus que, em tudo, me conhece. 

Constranjo-me. Naquele papel não está uma dúvida. As palavras não formulam uma pergunta infantil. O manuscrito é um documento de confissão terna de um anelo que, em algum momento, brotou no coração da criança:

Pastor eu quero ser como tu.

Abração,
Inez e Joubert

Fotos:
Ionara Vieira 
Joubert de O. Sobº


Motivos de oração
  • Que os novos convertidos permaneçam na fé.
  • Pela abertura da nova igreja no CEDUC (Estratégia: evangelização de crianças).
  • Por nossa saúde.
  • Por vitórias nas batalhas e resistências espirituais.
  • Suprimento para compra de um carro.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Quem é realmente feliz?



À Família CEDUC
                                                                                         

Quem é realmente feliz? 

 Devocional de 30.04.15 Nº 08
Joubert de Oliveira Sobº – Capelão
  
Bem-aventurados os pobres de espírito... os que choram... os mansos... os que têm fome e sede de justiça... os misericordiosos... os limpos de coração... os pacificadores... os que sofrem perseguição por causa da justiça... quando vos injuriarem, e perseguirem, e, mentindo, disserem todo o mal contra vós, por minha causa. Mt 5.3-12

Bem-aventurado significa “muito feliz”. A lista de Jesus a respeito das pessoas realmente felizes é curiosa. Jesus afirma que pode ser muito feliz alguém que chora. Pode ser muito feliz alguém que sofre injustiça, perseguição, injúria e calúnia. É uma questão de perspectiva, da maneira de ver as coisas. Malba Tahan nos conta uma história que nos faz entender bem esta ideia.

Uma comunidade cristã resolveu investir na construção de um templo. Para o início das obras era necessário quebrar as grandes pedras. Era um trabalho difícil e cansativo. A marreta pesada tinha que ser levantada acima da cabeça e descer com força sobre as pedras e torná-las pedregulhos. Um dos líderes querendo medir a satisfação dos trabalhadores resolveu fazer-lhes um questionamento. Chegou para o primeiro e disse:

- O que você está fazendo?

Visivelmente irritado e mal-humorado o homem respondeu:

- Não está vendo? Estou quebrando pedras!


O líder foi até o segundo e perguntou a mesma coisa. O pedreiro respondeu:

- Ora, trabalho pelo meu salário!


Ao fazer a mesma pergunta ao terceiro trabalhador, o líder ficou surpreendido pela resposta. Todo orgulhoso o pedreiro respondeu:

- Você não sabe? Estou construindo uma Catedral!

Todos faziam exatamente a mesma coisa, mas cada um tinha uma visão diferente da finalidade de seus trabalhos. O primeiro pensava como um escravo: cumpria uma obrigação. O segundo era movido pela ganância. O terceiro tinha um ideal, enxergava o que ainda não existia.

E você? De que maneira cumpre suas obrigações? Há alunos que fazem as lições com mal-humor, como se fossem escravos. Outros porque entendem que é a única maneira de terem um bom emprego e ganharem dinheiro. Mas há outros que tem o ideal divino de serem instrumentos de Deus neste mundo para cumprir a Sua vontade. Em qual delas você se enquadra?

Bem-aventurado aquele que teme ao SENHOR e anda nos seus caminhos! Pois comerás do trabalho das tuas mãos, feliz serás, e te irá bem. Sl 128.1,2

segunda-feira, 18 de maio de 2015

O Cético e o Lúcido


O Cético e o Lúcido




Autor desconhecido

No ventre de uma mulher grávida estavam dois bebês. O primeiro pergunta ao outro:
1- Você acredita na vida após o nascimento?
2- Certamente. Algo tem de haver após o nascimento. Talvez estejamos aqui principalmente porque nós precisamos nos preparar para o que seremos mais tarde.
1- Bobagem, não há vida após o nascimento. Como verdadeiramente seria essa vida?
2- Eu não sei exatamente, mas certamente haverá mais luz do que aqui. Talvez caminhemos com nossos próprios pés e comeremos com a boca.
1- Isso é um absurdo! Caminhar é impossível. E comer com a boca? É totalmente ridículo! O cordão umbilical nos alimenta. Eu digo somente uma coisa: A vida após o nascimento está excluída – o cordão umbilical é muito curto.
2- Na verdade, certamente há algo. Talvez seja apenas um pouco diferente do que estamos habituados a ter aqui.
1- Mas ninguém nunca voltou de lá, depois do nascimento. O parto apenas encerra a vida. E afinal de contas, a vida é nada mais do que a angústia prolongada na escuridão.
2- Bem, eu não sei exatamente como será depois do nascimento, mas com certeza veremos a mamãe e ela cuidará de nós.
1 -Mamãe? Você acredita na mamãe? E onde ela supostamente está?
2- Onde? Em tudo à nossa volta! Nela e através dela nós vivemos. Sem ela tudo isso não existiria.
1- Eu não acredito! Eu nunca vi nenhuma mamãe, por isso é claro que não existe nenhuma.

2- Bem, mas às vezes quando estamos em silêncio, você pode ouvi-la cantando, ou sente, como ela afaga nosso mundo. Saiba, eu penso que só então a vida real nos espera e agora apenas estamos nos preparando para ela…
...
Fonte - Ministério Vigiai

domingo, 17 de maio de 2015

PÁSCOA - O sangue do Cordeiro em nossas portas


À Família CEDUC

Devocional de 31.03.15 – Nº 07
Joubert de Oliveira Sob – Capelão

Páscoa

O sangue do Cordeiro em nossas portas 

   

O cordeiro, ou cabrito, será sem mácula... Israel o sacrificará à tarde. E tomarão do sangue e pô-lo-ão em ambas as ombreiras e na verga da porta, nas casas em que o comerem...  esta é a Páscoa do SENHOR. E eu passarei pela terra do Egito esta noite e ferirei todo primogênito na terra do Egito, Êx 11.5-12

Ovos de Páscoa, coelho de Páscoa, chocolates, almoços especiais, “Feliz Páscoa!”, feriado; tudo isto temos visto e ouvido todos os anos quando chega a semana da Páscoa. Mas, o tempo vai passando e nem sempre nos lembramos o que realmente significa a Páscoa. É sempre bom relembrar, afinal a Páscoa é comemorada no mundo inteiro. Certamente significa algo muito importante que vale a pena conhecermos.



O significado da palavra PÁSCOA

Páscoa, do hebraico, pesah, vem de um verbo que significa “passar por cima”, no sentido de “poupar”. O povo de Israel era cativo no Egito. Deus enviou Moisés para retirar o povo de lá, mas o Faraó não queria deixar o povo ir. O Senhor enviou pragas sobre o Egito para quebrantar o coração do Faraó. As pragas eram juízos de Deus punindo os pecados do Egito. A última praga era a morte dos primogênitos – o primeiro filho de uma família. 


Para que esta praga não alcançasse também as famílias israelitas que lá habitavam, Deus ordenou que sacrificassem um cordeiro que deveria ser assado e comido em família, com pães sem fermento e ervas amargas (verduras) e o sangue deveria ser passado nas umbrais e na verga das portas.


E assim aconteceu. Naquela noite todo Egito chorava a morte de seus filhos, mas na casa dos filhos de Israel, não ouve morte por causa do sangue do cordeiro.

E aquele sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; vendo eu sangue, passarei por cima de vós, e não haverá entre vós praga de mortandade, quando eu ferir a terra do Egito, Êxodo 12.13

Jesus é o Cordeiro da Páscoa

Estávamos todos condenados à eternidade sem Deus por causa da praga do pecado. Haverá um Dia do Juízo em que todos os pecadores serão condenados por seus pecados. Jesus veio para nos reconciliar novamente com Deus. Para isto Ele teria que pagar pelos nossos pecados. 

Jesus então, justamente nos dias da Páscoa judaica, entregou-se a morrer na cruz por nós, tornando-se assim nosso Cordeiro. Através de seu sangue nas ombreiras e verga da porta de nosso coração somos livres do juízo, a praga não mais nos alcança. O juízo de Deus, no dia do julgamento, passará por cima, isto é, poupará a vida de quem recebeu a Jesus como seu Senhor e Salvador.


Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. João 1:29

Jesus venceu a morte

Outra mensagem importante da Páscoa que não pode deixar de ser compreendida é de que Jesus venceu a morte e ressuscitou. Jesus morreu na cruz na sexta-feira às quinze horas. Foi sepultado num túmulo novo. Passou-se o sábado. Na manhã de domingo Jesus ressuscitou. Apareceu para as mulheres no sepulcro, depois para os discípulos e com eles permaneceu quarenta dias antes de subir ao céu. A mensagem da Páscoa nos informa que, assim como ele ressuscitou do mortos, nós também ressuscitaremos para a vida eterna prometida por ele. Por esta razão declaramos que Jesus é a nossa Páscoa. Você tem o sangue do Cordeiro Jesus na porta de seu coração?