sexta-feira, 25 de novembro de 2016

A morte de HERMÉS

A morte de HERMÉS

Joubert de Oliveira Sobrinho, pr.
INSEJEC Zango - 25.11.16


Hermés
A igreja das crianças – INSEJEC Mona Nzambi (Criança de Deus) – foi inaugurada em agosto de 2015 e, desde então, tem atraído centenas de crianças, todas do bairro ao redor do CEDUC. Algumas delas se destacam na disposição de ajudar. Hermés, desde que chegou, procurava estar perto de nós durante a arrumação das cadeiras, instalação do som, dos instrumentos, distribuição de lanches e sucos. Com seus 12 anos, Hermés tornou-se figura conhecida e compôs a equipe de trabalho que ajuda a organizar o cultinho infantil. Ele fazia questão de acentuar que seu nome tinha ênfase na última silaba:


 – Hermés, pastor e não Hérmes! 


O segundo sentado da direita para esquerda

No segundo culto de inauguração da INSEJEC Adultos Ndandu Nzambi (Abraço ou Família de Deus), em 13 março de 2016, lá estava Hermés, bem vestido, calça e camisa de manga longa, brancos, com um destacado colete de samacaca (tecido étnico que representa Angola). 
Hermés de pé, ao centro, com as mãos para baixo

Naquele domingo, ele participou de tudo: cantou, dançou com os amigos durante o louvor e, depois da pregação do convidado especial Pr. Itamar, Hermés foi à frente com dezenas de outros atendendo ao apelo para quem quisesse aceitar a Jesus. Repetindo a oração, pediu ao Senhor que escrevesse seu nome no Livro da Vida e entregou inteiramente o "resto" de sua vida para Jesus. Jamais imaginaria que isto significaria oito meses. Eu filmei aquele momento. Hermés está atrás do jovem de camiseta preta, em frente ao Pr. Itamar.
video


O tempo passou, Hermés sentia-se cada vez mais à vontade entre os irmãos, a ponto de, certa vez, se apropriar de algo pertencente à igreja sem pedir permissão. Corrigido e envergonhado chegou a afastar-se um pouco da equipe, ainda que participava dos cultinhos.



No domingo, 06 de novembro/16, Gabriel, um dos adolescentes da equipe veio me dar a má notícia de que Hermés falecera e, exatamente naquele domingo, aconteceria seu sepultamento.

No centro orientando crianças
Surpreendido, perguntei o que havia acontecido. Ele me explicou que, há algumas semanas atrás, Hermés, com uns amigos, brincou indevidamente com um cão na rua. O cão o mordeu, mas ele não disse nada a ninguém em sua casa. Começou a adoecer e tardiamente descobriram que estava com Raiva Canina. 

Hermés ao lado da Inez
Ao pesquisar as fotos encontrei Hermés presente em várias delas, além do vídeo em que ele ora entregando a vida a Jesus. A morte de Hermés acentuou-me a importância da evangelização de crianças, principalmente em sociedades, comunidades e ambientes de risco. Angola tem um dos maiores índices de mortalidade infantil do mundo. Os riscos estão muito mais próximos que imaginamos.

Hermés de joelhos orando
Agora há um vazio na equipe e no cultinho. Hermés faz falta. Que bom que ele teve a oportunidade de investir na vida eterna ao conhecer e receber a Jesus Cristo. Nossa esperança reside na promessa que Jesus fez:


Hermés
“Você não precisa esperar pelo fim. Eu, aqui e agora, sou a Ressurreição e a Vida. Quem crer em mim, ainda que morra, viverá. Qualquer um que vive crendo em mim não irá morrer em definitivo. Acredita nisso?” 
João 11.25,26

A esquerda e o seu demônio

A esquerda e o seu demônio

Eguinaldo Hélio Souza - 24 Nov 2016

Manipular palavras é parte essencial da guerra cultural esquerdista. Desmascarar essa manipulação é nosso dever, uma árdua tarefa para desintoxicar o pensamento da nação.


Essa estratégia, chamada de novilíngua, é descrita na obra 1984 de Orwell. Vemos essa manipulação no uso da palavra “burguesia”, feita pelo marxismo clássico. Ao contrapor “cultura proletária” a “cultura burguesa” não estava acontecendo nenhuma descrição da realidade, mas criava-se um antagonismo artificial para ser utilizado na destruição de seus oponentes. Vemos isso ao lidar com a família.


A esquerda é inimiga da família judaico-cristã. A imagem do Salmo 128 é para ela uma abominação que precisa ser extirpada. No entanto, ela não a define como família judaico-cristã. Define como “família burguesa”. Qualquer instituição, qualquer pensamento, qualquer ação que não pertença aos dogmas sacrossantos da esquerda, será chamada de “burguesa”. A imprensa é burguesa quando critica a esquerda. A cultura é burguesa porque não reflete os pensamentos de Marx e não os adota como seu credo. Seus oponentes ou discordantes serão chamados de burgueses, mesmo que trabalhem no chão da fábrica. E eles próprios serão os representantes do pensamento proletário, ainda que descendam há muitas gerações de grandes famílias capitalistas ou da classe média. Como em tudo que se envolvem, suas mentes não têm o mínimo compromisso com a verdade, mas apenas com o mundo fictício que criaram, onde eles são os mocinhos e seus opositores, independente da origem, são o seu “diabo”. O Grande Irmão se alimenta de seu Goldstein.


A burguesia é o seu demônio, seu opositor máximo. Ele não tem forma definida. Tudo o que se opõe a esquerda receberá esse nome. Isso não tem nada haver com a realidade, em como as coisas são. Isso é tática de guerra ideológica. Hitler, em seu Mein Kampf a definiu claramente:


“A arte de todos os grandes condutores de povos, em todas as épocas, consiste, em primeira linha, em não dispersar a atenção de um povo e sim concentrá-la contra um único adversário. (...) Faz parte da genialidade de um grande condutor fazer parecerem pertencer a uma só categoria, mesmo adversários dispersos, porquanto o reconhecimento de vários inimigos nos caracteres fracos e inseguros, muito facilmente conduz a um princípio de dúvida sobre o direito de sua própria causa”[1]


É bom frisar que não foi a esquerda que aprendeu com Hitler, mas Hitler aprendeu com os comunistas. “Esses ‘gêmeos heterozigotos’ (Pierre Chaunu), ainda que inimigos e originários de histórias diferentes, tem vários traços em comum”.[2]. Manipular palavras e unificar os inimigos é um deles.


A grande maioria dos esquerdistas é burguesa no sentido literal da palavra. Mas sua guerra cultural exige uma demonização dos adversários. E para isso é preciso que todos os seus inimigos sejam classificados como um grupo único. Roubando do cristianismo as essências que julgaram convenientes, eles são os salvadores do mundo em luta contra as hostes das trevas. E o nome dessas hostes é “burguesia”. Assim ficou fácil. O marxismo odeia tudo o que é cristão, inclusive a família cristã. Para não dar na vista, a chama de burguesa.


“De modo semelhante, respondendo à segunda crítica, ele [Marx] argumenta que a abolição da família significava a abolição da família burguesa...”[3]. Um excelente disfarce para reunir seus inimigos sob um único teto. Como testemunhou um senador americano, que conheceu Marx pessoalmente em seus trinta anos: “Eu me lembro claramente do cortante desdém com que ele pronunciava a palavra ‘burguês’; e de “burguês” — isto é, um exemplo detestável da mais profunda degeneração mental e moral — ele chamava qualquer um que ousasse opor-se a suas opiniões”[4]


Dessa forma o pensamento vai sendo distorcido e os discordantes vão sendo classificados, não como legítimos pensadores, formadores de opinião, críticos honestos ou portadores da verdade. As instituições vigentes, inclusive a família, não são elementos adequados para orientar a realidade. Tudo o que não é de esquerda precisa ser destruído.


Não se engane. A família burguesa que o marxismo se propôs destruir desde os seus primórdios é, na verdade, a família cristã. A cultura contra a qual luta, embora a chame de burguesa, é na verdade a cultura judaico-cristã. O marxismo luta para descristianizar nossa civilização, mas jamais assumirá isso. Da mesma forma que os nazistas chamavam seu genocídio de “limpeza étnica”, eles ocultarão as maiores maldades sob os nomes mais doces, e chamarão “demoníacas” as ações mais sublimes dos que deles discordam.


O que dizem que querem fazer, parece bom. O que realmente querem fazer é sempre mal. Palavras em seus lábios, não são descrições correspondentes à realidade. São armas cruéis que utilizam para destruir e recriar o mundo à imagem e semelhança de suas mentes deturpadas. E se não conseguirem reconstruir nada, a mera destruição já lhes basta.


Fonte: www.juliosevero.com

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Imã que estava morto, levantou-se da mesa de lavagem antes do enterro e testemunhou de Jesus




Imã que estava morto, levantou-se da mesa de lavagem antes do enterro e testemunhou de Jesus


eu sou um
Relatório: bibles4mideast.com
Munaf Ali (nome não é real), 45 anos, era um imã de uma mesquita, bem como um erudito e pregador do Islã em um reino do Oriente Médio.
Um dia o Pastor Paul e a equipe de Bíblias para o Médio Oriente ( http://bibles4mideast.com ) reuniu-se com Munaf e teve uma discussão a respeito de Jesus Cristo e da Bíblia. Ele negou a divindade de Jesus Cristo e a credibilidade da Bíblia.
Pastor deu-lhe uma amostra do evangelho, mas ele se recusou a receber. E também amaldiçoou o Pastor e sua equipe.
Na mesma noite, uma multidão de fanáticos sob Munaf veio atacar a equipe da agência cristã gritando "Allahu Akbar". Mas a equipe havia saído de seu abrigo pela orientação de Deus e escapou de lá antes que os atacantes chegassem.
Depois de alguns dias, uma tarde de sexta-feira, Munaf estava voltando para casa quando no caminho sentiu vertigem e caiu. Ele sabia que estava morrendo. Naquele momento viu demônios chegando a ele para pegar sua alma. Munaf disse-lhes, “Vão embora,  malditos. Você não tem o direito de tomar minha alma!”.
No entanto, os demônios responderam: "Não. É nosso direito tirar sua vida. E você estará conosco", antes de tomarem sua alma com força e virarem-se para sair.
De repente, Cristo Jesus apareceu diante dele junto com um grande número de anjos, fazendo com que os demônios fugissem com terror.
Ouça meu filho - disse Jesus a Munaf. "O primeiro Adão desobedeceu a Deus e pecou contra Ele sob a pressão de Satanás. As portas do céu foram fechadas por causa de seu pecado. Eu sou o segundo Adão, a Palavra de Deus e o Messias Jesus, Filho do Altíssimo. Eu nasci da virgem Maria como um Filho do Homem sem pecado para redimir o primeiro Adão e todo o seu parentesco que inclui a si mesmo do pecado e da morte. E eu fui crucificado e morri como um resgate por todos pelos seus pecados para fazer de vocês os filhos de Deus e cidadãos do céu".
Jesus disse novamente: "Eu fui ressuscitado dentre os mortos e abri as portas do céu para trazê-lo de volta à glória eterna. Tenha fé em mim e seja minha testemunha. Eu dou a sua vida de volta, porque eu sou a autoridade que dá vida".
Quando Munaf Ali abriu os olhos, viu-se rodeado de alguns de seus parentes próximos e de seus filhos que deitavam seu corpo em uma mesa para o lavar e o vestir antes do enterro. Uma multidão enorme também estava presente.
Todas as pessoas ficaram surpresas quando se levantou da mesa de lavagem.
Munaf disse-lhes que estava morto, demônios tentaram  tomar a sua alma, mas o Messias Jesus veio e lhe deu a vida de volta. E tentava descrever sua experiência para o povo.
Mas algumas pessoas disseram que ele perdeu o juízo quando sua cabeça bateu em uma pedra ao cair no caminho. E que ele fala palavras sem sentido. Alguns outros disseram que um espírito maligno poderia tê-lo possuído.
Munaf continuou falando sobre Jesus para sua família e filhos e para aqueles que o visitavam. As pessoas pediram que seus filhos consultassem um psiquiatra. Por fim, ele foi demitido da mesquita.
Sua família e filhos acreditavam no que ele dizia sobre Jesus. Todos aceitaram Jesus como seu Salvador pessoal e Senhor. Então a comunidade começou a persegui-los a ponto de terem de deixar sua casa e seu país natal.
Por favor, orem por Munaf Ali e sua família pela proteção de nosso Senhor e para que consiga manter seu sustento.

FONTE: https://bibles4mideast.com/2016/10/29/imam-stood-up-from-washing-table-before-burial-and-witnessing-jesus/

sábado, 5 de novembro de 2016

NOTÍCIAS DE LUANDA OUTUBRO 16

NOTÍCIAS DE LUANDA  

161030
Ano II
Luanda, 30 de outubro de 2016.
 

Ó Deus, tu és o meu Deus, eu te busco intensamente; a minha alma tem sede de ti! Todo o meu ser anseia por ti, numa terra seca, exausta e sem água. Quero contemplar-te no santuário e avistar o teu poder e a tua glória. O teu amor é melhor do que a vida! Por isso os meus lábios te exaltarão. Enquanto eu viver te bendirei, e em teu nome levantarei as minhas mãos. A minha alma ficará satisfeita como quando tem rico banquete; com lábios jubilosos a minha boca te louvará. Quando me deito lembro-me de ti; penso em ti durante as vigílias da noite. Porque és a minha ajuda, canto de alegria à sombra das tuas asas. A minha alma apega-se a ti; a tua mão direita me sustém. Sl 63.1-8

Visita ao Brasil (agosto e setembro)


A princípio, fomos ao Brasil especialmente celebrar o casamento da prima Camila com o Marcos, pré-agendado conosco desde 2014. Foi uma inesquecível celebração com honra dupla, visto que o casamento “veio à luz” no mesmo dia que eu: 28/08. Na linda festa também pudemos rever amigos e familiares.

Clique no LINK abaixo em vermelho e leia o NOTÍCIAS DE LUANDA Outubro 16 na íntegra.

NOTÍCIAS DE LUANDA OUTUBRO 16